Visualizações de páginas no último mês

Amazon MP3 Clips

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

INTOLERÂNCIA, NARCISISMO OU SAUDÁVEL AMOR PRÓPRIO??


INTOLERÂNCIA, NARCISISMO OU SAUDÁVEL AMOR PRÓPRIO??

Conheço pessoas que vivem toda a vida amarradas a carrascos que transformam as vidas dos que com elas convivem, em autênticos pesadelos.
Mulheres traídas ao longo de 40 anos de casamento; mulheres agredidas, violentadas, rebaixadas; pessoas que dão tudo por tudo… sem nada receber em afecto, carinho, ternura, apreciação.
Não consigo ser assim com ninguém, nem no campo da amizade e muito menos no campo amoroso.
Há quem diga, que para amarmos alguém, temos que ter capacidade para nos amarmos a nós mesmos.
Eu acredito que sim.
Não é possível dar incondicionalmente amor e compreensão a quem não nos ama nem nos respeita.
O meu ex marido, pai das minhas filhas, amor da minha vida, foi-se de armas e bagagens, assim que descobri que enquanto eu tratava das crianças e o esperava em casa, ele se passeava com outra mulher.
De facto, casei-me pela Igreja e nunca me passou pela cabeça a palavra divórcio. Pensava que “isso” era daquelas coisas que só acontecem aos outros. Quando me apercebi da situação, senti que o chão me fugia debaixo dos pés.
Como dizia um filósofo, podemos esquecer as alegrias e as tristezas mas nunca poderemos esquecer COMO nos fizeram sentir.
Eu nunca me esquecerei, e Deus me perdoe, jamais perdoarei, a maneira como aquela pessoa me fez sentir: sem valor, diminuída, mal-amada.
Um amor dirigido a quem nos magoa, é um amor doentio: ao dedicar esse tão nobre e precioso sentimento a quem não sabe, não pode ou não é digno de o receber, estamos a amesquinhar-nos; estamos a matar-nos por dentro.
Nunca deixei nada atravessado na garganta: quando “expludo” sou dura, curta e incisiva. Cirurgicamente, disseco as emoções e livro-me das toxinas.
Gosto muito de mim, embora,… tenha milhares de crises de auto-estima.
Quem me maltrata, não merece sequer, um segundo olhar.
Prefiro a dignidade de uma solidão escolhida, à companhia de uma relação sofrida.
Há quem me chame intolerante… É uma psico-análise tão válida como qualquer outra.
No entanto, não é essa a avaliação em que me revejo: nascemos para Viver, ser felizes, em última análise para amarmos e ser amados.
A vida é demasiado curta para perdermos tempo com quem não nos merece.
Estou a ler o livro “Mulheres que amam demais” e tenho constatado que essa realidade é transversal a toda as classes sociais, idades, profissões e géneros.
Conheço homens que rastejaram atrás de mulheres que os transformaram em autênticos farrapos humanos: sem auto-estima, sem coragem e sem força anímica para prosseguir, até no campo profissional.
Essas pessoas condoem-me porque perderam a dignidade.
Só conheço e reconheço dois amores incondicionais: O de Cristo e o amor pelos filhos.
O resto….Que Deus me perdoe, é doença mental.

Isabel

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010


O HAITI, A “GRIPE A” E O CASAMENTO GAY.

Meus amigos: hoje, definitivamente ou “não tomei os comprimidos” ou comecei a ouvir mal… o que requer uma visita urgente ao otorrinolaringologista!!!
Quando vejo o telejornal, fico afectada. Mais afectada fico, quando oiço pessoas conceituadas, como Bagão Félix, a comentar notícias que …Só numa sociedade Kafkiana são possíveis acontecer_ embora eu no íntimo já desconfiasse!
Ok: então a notícia que me pareceu ouvir foi a seguinte: a indústria farmacêutica, gastou 150 X o PIB do Haiti a espalhar o pânico da gripe A!
Ou seja, com este “terror da gripe” que se previa matar não sei quantos milhões de pessoas, o dinheiro foi transferido dos Estados, logo dos nossos bolsos contribuintes, adivinhem para onde??….Para as Indústrias Farmacêuticas!
E mais!!! Os comentadores diziam o seguinte: para as grandes indústrias farmacêuticas não é rentável investir na prevenção da malária que mata todos os anos milhões de pessoas ou fornecer soro para a Cólera que mata outras tantas!! _ Claro, está bom de ver. Os países pobres não têm como pagar!!_
Assim, aqui estamos: atafulhados em vacinas anti-gripais até ao pescoço, uns Países a querer vender aos outros….E….No outro lado do mundo que não fica assim tão longe, crianças, adultos e idosos, a morrer por falta de simples água potável!
(Nota: eu e a minha filha Filipa tivemos gripe A em Novembro, e ainda estamos vivas. “Curámo-nos” com paracetamol, muitos líquidos e uns dias de descanso. Não provámos um único anti-viral nem ninguém da nossa família se vacinou! _ O meu pai bem me dizia: eu sobrevivi à Gripe Asiática, estou imune a esta!!)
E finalmente, o casamento gay.
Eu nem queria acreditar mas juros-vos que ouvi isto: A Câmara Municipal de Lisboa, quer incluir nos “CASAMENTOS DE SANTO ANTÓNIO”, alguns casamentos de gays. Ok. Ajudem-me lá: o que é que se pode dizer sobre uma notícia desta??
Que cigarritos é que os tipos andam a fumar?? É que eu já experimentei Haxixe nos tempos de faculdade e não me deu para nada que se parecesse!!
Meter o Santo António nos casamento gay??
Oh valha-me a Santa!! ….
Meus amigos gays assumidos, aqui do facebook ou não, a culpa não é da Igreja não senhora!
Vou só dar-vos um exemplo, ou melhor, dois exemplos: como divorciada deveria ser “escorraçada” das Missas e outras actividades católicas assim que arranjasse um namorado. Pois…Não é bem assim!! Cá para os meus lados, o meu pároco sempre me acolheu com todo o carinho e Amor tendo-me até convidado para catequista_ o que eu fui durante um ano.
O mesmo pároco, foi ter com uma amiga minha que vivia em união de facto com outra amiga, para lhe dar conforto Espiritual e oferecer os seus préstimos nos últimos momentos. A Minha Amiga, Grande na sua Humildade, quis primeiro recusar pois perante a Igreja Católica vivia em Pecado. O Padre riu-se , disse umas piadas e… só não bebeu uns copos connosco, porque não é homem de beber _ isto a propósito do Santo António que foi nesse arraial que o encontrámos.
Vai daí, o meu querido Padre Elias que se tinha oferecido para ir a casa delas, esperou. E… passado uns tempos, recebeu a visita das minhas duas amigas, teve uma longa conversa reconfortante e cheia de ternura, ofereceu a extrema unção….E ainda rezou uma Missa só para elas!!!
Ok.
A Igreja é um Mundo que vai desde a Opus Dei até à Teologia da Libertação…E é aí que está a sua grandeza, a sua maravilhosa diversidade!!....
E tudo isto leva-me a pensar que em vez de serem as instituições a formatar as Pessoas…São as Pessoas que fazem as instituições.
Por hoje, tenho dito.
Como sempre, gostava imenso de ler os vossos comentários e como sempre, gostava de ser corrigida naquilo que possa ter ouvido ou percebido mal no meio desta confusão toda.
E lá fico eu a pensar, (outra vez, que raio de mania!!), que Mundo é este que vamos deixar aos nossos filhos e netos??


Isabel

domingo, 10 de janeiro de 2010

RITUAIS DE ACASALAMENTO E AFINS


RITUAIS DE ACASALAMENTO E A “ANATOMIA DE GREY”

No 6º ano de escolaridade, ensinamos aos meninos o que é a reprodução, para que serve e como se processa nas diferentes espécies animais. Algumas delas emblemáticas…
Há aves que constroem os ninhos com as “pedras” e pedaços de metal mais brilhantes que encontram: terminada a tarefa, a fêmea avalia o mais bonito, cujo dono se tornará no sortudo noivo!!
Outras aves há, que elaboram danças complicadíssimas, para atrair a atenção das fêmeas e o nosso conhecido pavão, deslumbra a pavoa com o leque que abre, como que dizendo: “olha como eu sou belo! Olha como serei um belo fornecedor de bons genes para as tuas crias!...”
Os veados, lutam entre si, para isso apresentam as belas hastes; _excepção para as renas que não sei como fazem, pois ambos os sexos possuem armação córnea!_.
Os leões lutam aguerridamente e o conquistador pode até assassinar as crias descendentes do macho deposto.
As baleias cantam e encantam com os seus cânticos_ as baleias macho, claro_ ,atraindo nas profundezas do oceano a “alma Gêmea”.
Até as simples rãs….coaxam noites inteiras chamando as fêmeas!!!.......
Tudo está tão bem feito, tão perfeito, tudo encaixa tão bem neste plano Divino!!……Bem… coitados dos machos aranha e Louva a Deus que se não se puserem a pau (!!!), correm o risco de ficar sem cabeça durante a cópula: Isto é o que se chama mesmo Comer o parceiro!!!!:)) Não é original “nosso”, não!
Ponho-me a pensar –_porque eu tenho essa estúpida mania_, que tudo na Natureza funciona assim: a Fêmea é um “objecto de culto”, “algo” por que lutar, que exige trabalho e esforço na conquista!
O macho tem que se esfalfar para agradar…e desgraçados dos que são excluídos: uns fogem proscritos sabendo que nunca propagarão os seus genes….Outros ficam condenados a vaguear solitariamente pelas savanas ou pelos fundos oceânicos.

E connosco, humanos?? Como é que é??
Não estou a perceber nada: Ok, o macho tem mais massa muscular, é normalmente mais forte e pesado e apresenta uns ombros com ar protector. E normalmente também, tem a mania de lutar e de se armar em forte: vejam os “cavalinhos” nas motos, os grupos de forcados!!!!
Mas quem se abrilhanta, se enche de pinturas e pailletes, quem se perfuma, quem canta ao ouvido com voz melodiosa?? Quem vai ao cabeleireiro, enche a pele de cremes, gasta balúrdios na esteticista???
Quem tem que demonstrar ser a melhor dona de casa, a melhor profissional, a melhor mãe??... Nós, claro está.
Há 100 anos, pouco mais tínhamos do que ser belas e boas donas de casa para acedermos ao “santuário” do casamento…Sim, toda a gente sabe das tristes histórias de tias solteironas ou desterradas para os conventos!!
E connosco??
Será que é assim ou é tudo mais complicado???
Hoje a fêmea humana, atrai, investe, avança, “faz olhinhos”. Como reagem os homens a isso??
Por aquilo que me é dado a observar, na maioria dos casos, fogem apavorados!!! Ninguém gosta de uma mulher que dê o primeiro passo. Porque será??
Tenho amigos que dizem que “não é bem assim e tal..” Mas acaba por ser.
No íntimo daquelas cabecinhas machistas ainda existe o mito: “ se ela se atira a mim é porque se atira a todos” _ o que equivale biologicamente a dizer: eu não sei se as crias em que vou investir Tempo e dinheiro são minhas!!!!....._ Grande problema……..
Delicio-me a ver a “Anatomia de Grey”: a música é óptima, os textos são excelentes, o ambiente prende-nos completamente: amor, traições, stress, Vida, Morte…Tudo num único episódio.
Nesta série, as mulheres são extremamentes independentes e desenrascadas: capazes de “engatar” um homem num bar para o pôr sem escrúpulos no “olho da rua” na manhã seguinte!!
No meio desta confusão toda: biológica, CULTURAL, histórica, andamos todos à procura do nosso lugar.
Andamos todos sem Norte, sem perceber muito bem qual a melhor maneira de proceder com coerência.
Os cristãos dizem que não devemos “relativizar” o amor: torná-lo num objecto de desejo e expurgá-lo de Alma e sentimentos…_Ensino sempre aos meus alunos que quando nos “envolvemos” com alguém corremos sempre o risco de magoar e ser magoados…._
Ok …E aqui fica uma questão: até que ponto devemos ir?
Até que ponto uma mulher é “livre” de mostrar os seus sentimentos sem correr o risco de afastar o homem, sabendo que esse papel não lhe foi atribuído durante séculos e séculos de história, excepto nas remotas sociedades matriarcais???

Gostava de ver_ TAMBÉM_ alguns homens a responder..Só desta vez;)))
Bjs

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

My very interesting life :)) _ (É mais fino:)))


A minha interessantíssima vida!!!
Farto-me de rir com aquelas pessoas que via twiter, “aipode” ou lá o que é, mandam constantes informações para toda a gente, tipo: “está a começar a chover”; “o avião para Paris atrasou”..”Trânsito complicado na auto-estrada Lisboa Cascais”…..Como se tivessem necessidade de transmitir informações de coisas que NÃO nos interessam minimamente.
Eu hoje estou assim!!! E não, não sou jornalista nem tenho a vida interessantíssima da Guta Moura Guedes, (quem me dera!!).
…Levantei às 7 já a correr para lavar e secar o cabelo PORQUE É FUNDAMENTAL ir de cabelo sedoso para a escola; engulo um copo de leite, bolachas, vitaminas e o antidepressivo + o ansiolítico da manhã: grito pelas miúdas que fingem não ouvir o despertador; ameaço-as de expulsão de casa se não pararem de discutir “de quem é aquela camisola”.
Volto a tentar enrolar o cabelo, _(elas tomam duche antes de jantar e eu de manhã para haver menos confusões espacio-temporais)_, e reparo que uma delas ainda não tomou o pequeno almoço e a outra ainda não decidiu que camisola levar!! Juro pelos Deuses que as ponho com as malas à porta se se voltam a deitar sem ter decidido a roupa a vestir no dia seguinte!
Depois de mais uns berros e ralhetes, verifico se ficou tudo mais ou menos desligado e arrumado, e corro para o carro com pastas, mochilas, livros e miúdas.
Deixo a maior na Secundária e largo a menor na EB2,3 enquanto estaciono o carro.
Começo o dia com uma substituição a uma turma de “meninos de etnia”. Não sei bem o que fazer com eles e há alguns que falam um dialecto que desconheço completamente. Pergunto se há TPC’s: não há; pergunto onde estão os cadernos para fazerem um desenho: não têm; mando os rapazes desligar os telemóveis XPTO e oiço como resposta: “é só ouvir mais esta música”. Proponho jogar ao Stop. Não sabem bem como é, outros não querem nem saber, mas lá ficam.
Os 45 minutos passam e eu vou a correr para uma aula mesmo minha. Entretanto a máquina no café “engoliu-me” 1,50 € e nem um capuccino me deu! _ ainda penso abanar a máquina ou dar-lhe um pontapé mas não dá tempo.
As aulas decorrem normalmente_ dentro do meu conceito de normal, confesso.
Volto para a Sala de computadores: estou em Tempo de gabinete de atendimento ao aluno; ligo a net, espreito uns e-mails e caço uns power-points sobre desigualdade triangular e equiláteros que me vão dar um jeitão na Aula de Estudo Acompanhado que é a seguir.
Entretanto rio-me com a colega que conta as suas aventuras com o Malato no “Jogo Duplo”: Vicky, esta é para ti: ela é loiríssima e ganhou !!!!
Vai amanhã à final para os 10.000€. Torcemos porela e contamos com uma jantarada.
Volto às aulas e finalmente o almoço: uma sandocha e uma sopa na companhia da minha querida amiga que é psicóloga da escola, Filipa Bravo.
Falamos de tudo um pouco menos do tempo ou de futilidades. Há que aproveitar bem as companhias;))
Nos “entretantos”, os miúdos esfrangalham-nos a cabeça com os matraquilhos, corridas, gritos etc.
Voltamos à sala de profs depois de tomar café no bar: a máquina da “nossa” sala não está de confiança!
Depois…depois …depois…Vem-se cá fora fumar um cigarro com um grupinho de “special ones”, conversa-se um bocadinho e eu pego na tralha seguindo para Salvaterra de Magos onde vou “dar” 2 horas de matemática.
Outras idades, outros miúdos, outros problemas, e sempre a velha aversão a números, semiplanos e inequações.
Termino a tarde a comer uma torrada e um chá com outra colega de Matemática que é uma querida …Ou não fosse ela do meu departamento!:))
Enfio-me no carro e tento galgar os 25 kms que me separam de casa.
Reparo pelo caminho numa tontura: senti de repente que o cansaço me deu uma ausência.
Não posso permitir que isso aconteça porque as miúdas ainda precisam de mãe.
Chego a Coruche: afinal o pai resolveu vir jantar (a casa da avó paterna), e eu….alivio. No problem whit dinner!!:))
Carrego as tralhas para casa e…tiro a roupa da máquina de secar, dobro-a, volto a pôr a máquina a trabalhar, agarro no aspirador, aspiro a casa, dobro, arrumo, puxo, lustro, corro…Socorro!!!!!!
Tenho as 2 Tv’s ligadas: uma na sala outra na cozinha: não suporto o silêncio nesta minha casa.
Penso que tenho imensa sorte em não viver em Lisboa pois a esta hora estaria enfiada em qualquer engarrafamento do Eixo Norte-Sul ou 2ª circular.
De repente…..Sinto este frémito de escrever, de partilhar, de vos perguntar: e convosco? Também é assim??

E agora….só/ não, não, não era só ,_ mas faz de conta_, apetecia-me um Ferrero Rocher ou um Mon Chérie.
LOVE U.