Visualizações de páginas no último mês

Amazon MP3 Clips

segunda-feira, 25 de julho de 2011

"Cansaço" - Fernando Pessoa



SE JESUS CRISTO TIVESSE TIDO O AZAR DE NASCER EM CORUCHE EM VEZ DE BELÉM, NEM UMA ESTREBARIA LHE ARRANJAVAM!

Confesso que estou irritada!
Ao sair do café, nesta “belíssima” vila deserta sob um sol abrasador, fui abordada por um peregrino alemão falando inglês: homem na casa dos 60 e tal anos, mais baixo que eu, com ar frágil.
Ia para Fátima pela segunda vez, e vinha desde Faro, a pé.
Carregava a mochila habitual às costas, a concha de Santiago Compostela, e no dedo um anel com a dezena.
Perguntou-me se falava inglês e onde morava o “priest”. Indiquei-lhe a casa do padre e segui caminho. Quando voltei, o peregrino estava no mesmo sítio… O padre tinha ido de férias e não há mais nenhum padre em Coruche…
Perguntou-me então onde eram os bombeiros pois como peregrino muitas vezes pernoita nas suas instalações. Fui com ele ao quartel pedir guarida para o caminhante. Foi-me contando que era protestante mas que tinha uma enorme Fé em Fátima e perguntou-me o que é que eu era: ambos trazíamos uma cruz ao pescoço. Respondi que era católica e com toda a naturalidade continuámos conversando em inglês…embora os alemães não sejam muito bons nessa língua;).
Disse-me que a última noite tinha pernoitado na casa do padre de Lavre, que em Évora tinha pernoitado na GNR e em Montemor-o- Novo no quartel de bombeiros.
Chegados aos bombeiros… Vi que havia muita agitação (Portugal está cheio de fogos como habitual), mas mesmo assim falei com o encarregado…. Que telefonou ao comandante. A resposta foi peremptória: “temos as instalações todas cheias! Estamos em estado de alerta! Até os quartos das raparigas estão ocupados…”_ Eu ainda retorqui que o senhor Klaus não precisava de uma cama pois trazia saco cama mas sim de um canto para dormir e de água ou uma mangueira para se lavar. Impossível.
Depois do “não” dos bombeiros, seguimos para o quartel da GNR. Voltei a traduzi-lo e a expor a situação ao que o guarda respondeu: não temos condições para o acolher!... E eu sei que eles têm as cavalariças desactivadas!!! Ainda disse ao gnr: “ mas deixe-o dormir na cela dos presos!”… Resposta: “Ai não, isso não pode ser!” ----
Em desespero de causa, dirigi-me ao lar de freiras. Toquei à campainha, uma irmã desceu falou muito bem comigo, sempre olhando com ar desconfiado para o pobre homem. Resolveu ligar para a Provedora da Santa casa da Misericórdia que estava de férias. A senhora atendeu e perguntou-me se ele tinha caderneta de peregrino. Tinha. A provedora telefonou para uma pensão que acolhe os peregrinos e a quem depois a Misericórdia paga. Era domingo…. A pensão estava fechada….Entretanto esperámos quase uma hora pela resposta….As irmãs arranjaram-lhe fruta e água…. Uma irmã que chegou posteriormente , mais aberta talvez, pois esteve 16 anos no Brasil, catequista da minha filha, foi buscar-lhe uma sopa quente e pão pois o pobre peregrino queria voltar ao café onde me tinha encontrado para comprar qualquer coisa para o jantar.
Depois de todas as hipóteses esgotadas….O peregrino ficou a dormir no banco de jardim que por sorte, fica mesmo defronte da GNR…. Ele estava_ e está_ com esperança de que na manhã seguinte possa usar aquela mangueira para se lavar.
Teve o à vontade de me dizer que na Alemanha há muito mais padres do que Portugal…. Eu disse-lhe que cá talvez haja menos padres pois aqui não podem casar, como ele bem sabe….:)- Sorrimos e concordámos que há esperança que esta situação mude…..
Resumindo, é triste que um homem que caminha desde Faro tendo encontrado um teto para dormir em todas as terras por onde passou, chegue a Coruche e fique a dormir ao relento!...
Pedi ao Klaus que rezasse por nós quando chegasse a Fátima e trocámos telemóveis caso ele precise de alguma coisa.
Combinou mandar-me uma sms quando chegasse a Fátima.
Desejo-lhe de todo o coração uma óptima viagem.
Isabel