Visualizações de páginas no último mês

Amazon MP3 Clips

quarta-feira, 31 de março de 2010

Calvários


CALVÁRIOS

Terça-feira, a minha filha Maria contou-me que na sequência de uma visita ao Hospital de Santarém, a uma tia-avó velhinha do lado paterno, encontrou no quarto ao lado…A sua muito querida monitora do ATL, também Maria de seu nome.
Estava internada com…um cancro de pulmão. Segundo as palavras da Maria minha filha, a Maria do ATL, estava triste, muito triste , mas linda: com os olhos azuis brilhantes e as faces rosadas. Pediu à minha filha que rezasse por ela e... quando a Maria deixou cair uma lágrima ela consolou-a dizendo que não se preocupasse pois tudo iria passar….
Hoje, tinha pensado quando acabasse as reuniões da escola, ir até Santarém, ver a “tia-velhinha” _ que está inconsciente_ e de caminho, dar um beijinho à Maria monitora.
Estava eu na escola em trabalhos burocráticos quando recebo a notícia de que a Maria do ATL tinha partido.
Fiquei destroçada; depois de me recompor, telefonei às minhas filhas para tentar dar com suavidade a notícia.
A minha filha Maria ficou incrédula: _“mas como é que é possível?? Ela estava com tão bom aspecto! Mãe: tens a certeza??....”
Quando acabei os meus trabalhos escolares, dirigi-me à Igreja e lá estava o velório da Maria do ATL.
O marido, chorava como uma criança num desconsolo sem tamanho; os filhos estavam em choque. As colegas desfeitas, as mães dos meninos que a Maria ajudou a educar, revoltadas.

Na nossa cabeça ecoa sempre, perante o mistério da morte: como é possível?? Como é possível morrer-se em 3 semanas duma doença que se pensou ser uma pneumonia?
A nossa Maria do ATL teve o seu Calvário; segundo as palavras do marido, “ ela já não olhava para mim…Olhava sempre para o Céu…” _ Talvez não tivesse a coragem de dizer ao marido: “Vou deixar-te, aguenta-te!”.
Sim, acredito que seja difícil.
Como em qualquer Calvário de verdade, há sempre Pilatos. Judas e traidores.
É quase quinta-feira Santa eu sei, mas a revolta que me assola não me permite calar:
Os judeus, os Pilatos têm um nome: médicos de Coruche…E mais: têm mesmo nome próprio.
O médico da Maria do ATL ,“tratou” um cancro de pulmão com uma receita de: “beba muitos líquidos para ajudar a expectoração e se quiser vá trabalhar”. Para a Maria ter direito a bomba de ar, (também era asmática), teve que consultar um pneumologista!!
Nesta sequência de sofrimento, esteve 2 semanas em casa a sofrer com falta de ar e a ser tratada a uma pneumonia que não existia… até que se lembraram de a levar ao hospital. Onde sobreviveu 3 semanas.
Foi esse mesmo médico que deixou morrer um amigo dos meus pais com um cancro do Cólon tratando-o como “sofrendo de nervos”!
O mesmo médico que perante o diagnóstico de carcinoma da mama de uma senhora de 76 anos, que por acaso era minha mãe, friamente disse: “minha senhora, essa mama é toda para ir fora!” _ E quando eu quis reclamar, a mãe impediu dizendo: “ Oh filha, eu quero lá saber do que ele diz!! Não te preocupes, eu aguento bem!”. _E não! Não Doutor Valério: “a mama não foi toda fora”. A mãe morreu, sim, mas não precisava de o ter ouvido, percebe?
E não é só o doutor Valério!! Também há 8 anos me aconteceu ter um tumor cerebral e ser diagnosticada como sofrendo de stress pela minha médica de família! Salvei-me porque tenho uma prima médica que insistiu que fizesse um TAC e que me salvou a Vida! Hoje…. (Não sei lhe hei-de agradecer ou ralhar, minha querida Susana!!).
Também há anos, perante uma sinusite, um médico do Centro de Saúde de Coruche me receitou um antibiótico,_ por acaso caríssimo_ para uma infecção urinária que nunca tive!
Quando estou doente, agradeço, mas não vou ao Centro de Saúde!! Aquilo é um local perigoso!
Das últimas vezes que lá estive com a mãe em estado terminal, pois sem sabermos, estava com metástases no fígado, a médica de serviço disse que era uma “crise de diabetes” e a mãe só seguiu para o Hospital de Santarém, porque eu INSISTI!...

Deus é Amor, Deus é perdão.
O ser-se cristão passa pela capacidade de ver em cada ser humano sofredor, um Jesus Cristo a viver o seu Calvário e a beber o seu cálice até à última gota._ Conforme Ele fez.
“Temos que perceber que podemos perder tudo” _ Anatomia de Grey.
Pois podemos.
Mas não podemos calar eternamente a revolta de saber que há médicos com mãos manchadas de sangue inocente! Não podemos calar mais!
Por mim chega, rebentei: processem-me se quiser. Não tenho medo. Nem sequer sei o que é ter medo!
Não há médico capaz de afastar a morte quando Deus nos chama.
Eu sei que perante os mistérios da Vida e da Morte somos insignificantes!!
Mas…Há limites! Há limites para a negligência para o descuido e desumanidade!!!
Pai: perdoai-nos…Porque sabemos o que fazemos!

Isabel