Visualizações de páginas no último mês

Amazon MP3 Clips

quinta-feira, 19 de julho de 2012

“Coisas” sobre o amor e desamor_ reflexão isabelina


“Coisas” sobre o amor e desamor_ reflexão isabelina

Um dia disse ao ex-namorado: “ Olha que eu gosto imenso de ti, mas mais do que de ti, gosto imenso de MIM!”
Narcisismo, perguntar-me-ão…Não: autodefesa.
Não consigo amar quem me maltrata, quem me diminui, quem me desrespeita a inteligência, quem, por via dos seus complexos, me quer “complexar”.
Há relações difíceis vividas a vida toda: normalmente pelas pessoas melhores do mundo.
Jamais esquecerei a história de uma amiga que, sem que nada o fizesse prever, se atirou de um 7º andar. Sabia que ela tinha uma relação “complicada”. Mais tarde, vim a saber por uma amiga próxima de ambas que ela era vítima de maus-tratos psicológicos.. .Sim, ela, uma mulher linda, inteligente, bondosa, atirou-se de um 7º andar.
Quando me separei há 13 anos, passei uma temporada tão em estado de choque, que não me conseguia imaginar a envolver-me com alguém. E estava precisada de um ombro, de colo, de ternura, oh se estava…mas… Simplesmente, não fui capaz.
O tempo foi passando e as chagas sarando, e…. Com o passar do tempo foram surgindo algumas pessoas importantes na minha vida.
Tudo o que vivi foi com “recta intenção” e com uma enorme vontade de que as relações “resultassem”e eu encontrasse a felicidade que perdi com a minha inesperada e chocante separação/divórcio.
Tive o cuidado de não voltar a casar. O casamento civil não me diz nada.
Para mim, casar é um Sacramento. Já o tive. E já o perdi.
Quando me apercebia de que, havia incompatibilidade de feitios, que estava a ser “usada”, ou menos amada do que aquilo que amava, saí fora. Protestei, blafesmei, disse o que tinha a dizer com toda a raiva que tinha, mas “caí fora”. _ nunca disse que tinha bom feitio e ninguém me magoa sem levar troco: nesse aspecto, preciso de uma nova evangelização…._Mas Cristo também se enfureceu com os vendilhões do Templo, ou não???...._
No meu coração, creio que todos temos direito à raiva e ao ódio. Se não o exteriorizarmos, cristaliza dentro de nós e transforma-se num cancro que nos corrói a Alma.
Na última vez que terminei uma relação, uma das minhas melhores amigas, senhora de uns sábios 70 anos, disse-me em jeito de confidência: “ Isabel! Arranje um homem rapidamente! Vá para a cama com ele e esqueça!! Esqueça quem a magoou. Vai ver que é remédio santo!” _
Sorri;))
Não sou “boazinha” mas não sou capaz de usar os outros: para fazer algo semelhante, preferiria comprar um boneco insuflável. Os outros, o próximo, são para ser amados e respeitados, nunca usados.
Tenho, no entanto,  amigos que me contaram com toda a naturalidade,  que após separações/divórcios, tiveram fases em que “tudo o que vinha à  rede era peixe”: do tipo ir a um bar, conhecer uma fulana, 2 dedos de conversa, ir para a cama dela e “xau, boa noite e boas festas” , nunca mais a ver, nem recordar-lhe o nome.
Há pessoas para quem isso funciona. Para mim, não. Dá- me pena, desgosto. Acho pobreza de espírito.
Muitas vezes perguntei a mim mesma: “ MAS SE EU NÃO METO DENTRO DE MINHA CASA QUALQUER DESCONHECIDO QUE NADA ME DIZ, COMO É LHE ENTREGO O MEU CORPO?? COMO É QUE ISSO SE CONSEGUE???.....”
O Corpo é o Santuário da Alma: não quer dizer que não caiamos em enganos, mas tratar o corpo pior do que a nossa  casa??.....
Pois…. Quem me quiser o corpo, tem que levar com o coração.
Quem achar que é peso a mais, nem faça o check – in;)

Isabel;)