Visualizações de páginas no último mês

Amazon MP3 Clips

terça-feira, 10 de novembro de 2009

A MORTE


Como disse o Padre Feytor Pinto, na Missa da minha querida amiga de infância: " a Morte não é mais do que uma curva da estrada da Vida...Onde deixamos de ver aqueles que amamos"......

4 comentários:

  1. A morte da tua amiga deixou, pelo que leio, algumas marcas. Contudo, onde quer que ela esteja, que continue a “ver, olhar e pensar”, e a dizer-te isto:


    A morte nada é.
    Eu apenas mudei para o quarto ao lado.
    Eu sou eu e tu és tu.
    O que quer que fomos um para o outro, ainda o somos.
    Chama-me pelo nome porque sempre me chamaste.
    Fala-me descontraidamente, como sempre me falaste.
    Não alteres em nada o teu tom.
    Não empregues qualquer ar forçado de solenidade, tristeza ou mágoa.
    Ri como sempre rimos das pequenas graças que sempre apreciamos juntos.
    Brinca, sorri, pensa em mim.
    Reza por mim.
    Deixa que o meu nome seja eternamente a palavra familiar que sempre foi.
    Deixa que seja proferido sem esforço ou ênfase.
    A vida significa tudo o que sempre significou, é aquilo que sempre foi.
    O “fio” não foi cortado, existe uma continuidade perpétua.
    Terei eu de estar longe do pensamento só por estar longe da vista?
    Eu não estou longe,
    Estou algures muito próximo, logo ao virar da esquina.
    Estou apenas do outro lado do caminho.
    Vá, tudo está bem.
    Nada passou, nada se perdeu.
    E quando chegar também a tua vez,
    Não chorem os que ficam,
    Porque não será um adeus, mas simplesmente um ate á vista.
    Estarei lá para te receber e tudo será como antes.
    Como riremos quando nos reencontramos!

    Adaptado de Henry Scott Holland

    ResponderEliminar
  2. Esta semana estou por casa a curar as minhas maleitas.
    É uma boa semana para fazer aquilo para o qual nunca temos tempo.
    E até para andar a bisbilhotar alguns blogs.

    Li integralmente o teu. De Março a Novembro.
    E uma tua amiga tem toda a razão.

    Pelo que l,i vi em ti em ti uma mulher com a adrenalina de uma égua, animal de que tanto gostas, mas não.
    Ela tem razão. És de facto uma talibã.
    Continua.

    Um beijo

    JF

    ResponderEliminar
  3. Obrigada!!!!
    Espero ser uma talibã...Mas no bom sentido!!

    Beijinhos!!!

    Isabel

    ResponderEliminar
  4. PS: ACHEI ESPANTOSO O POEMA QUE ME ENVIOU!!
    NA 4ª FEIRA VAI HAVER UMA CERIMÓNIA NA MINHA ESCOLA EM HOMENAGEM À COLEGA.
    GOSTARIA DE LÊ-LO...OU QUE ALGUÉM O LESSE...
    JÁ O LI 3 VEZES E NÃO ME CANSO...
    OBRIGADA JF

    ResponderEliminar