Visualizações de páginas no último mês

Amazon MP3 Clips

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

DEPOIMENTO


Chamo-me Isabel, tenho 51 anos e um grande defeito:
Não gosto que me dêem conselhos quando não os peço.
Tenho outro defeito: além de ser muito “despistada”,  gosto de escrever.
Escrever é para mim uma catarse, uma limpeza de Alma, uma confissão a mim mesma, uma libertação.
Não me incomoda expôr-me porque não tenho nada a esconder e o mais engraçado,  é que as pessoas que pensam que não se expõem, enganam-se: este mundo é tão pequeno que toda a gente sabe tudo sobre toda a gente e toda a gente “fala à boca pequena da vida dos outros”, apenas não têm coragem de o admitir!!! _ Estou errada??:)))
Os textos que escrevo são de 3 tipos: desabafos, ficção e análise sobre o comportamento humano.
São estes os meus temas.
Sobre mim, nada tenho a esconder: sou uma mulher normal com uma vida familiar pacata e um núcleo familiar unido mas forte: somos 3, as 3 mosqueteiras: a Maria a Filipa e eu.
Os meus pais, perdi-os dolorosamente para neoplasias implacáveis.
O meu ex-marido está “na onda dele”: saiu de casa porque o expulsei, e expulsei-o porque me traiu.
Alguma novidade?
Não, em Coruche (esta vila abandonada ente o Alentejo e o Ribatejo), toda a gente sabe o que se passou.
Todos sabem  que dou aulas e que faço o melhor que posso e sei,  não deixando nunca de apontar aquilo que considero injusto ou brocráticamemnte, estúpido.
Não tenho problemas de falar da minha saúde: ser doente ou ter estado doente não é motivo de discriminação a não ser para os estúpidos.
Sempre encarei o que sofri com naturalidade e sem tabus perante as minhas filhas, família, amigos e conhecidos.
Estigmatizada porque tive um tumor cerebral??... Tive a sorte de ter sobrevivido e não ter ficado deficiente. E se tivesse ficado???... Não nos ensinam que os deficientes são iguais aos outros???....
A maioria dos textos que escrevo sobre os “outros” são ficção, inspirados em histórias que me contam.
Há coisas estranhas, incomodativas mas que… Ao mesmo tempo me dão vontade de rir!!!
Há uns meses, escrevi um texto ficcional sobre um “pseudo-namorado” de uma “amiga” em que constatava,  após  análise do seu estranho comportamento,  dúvidas acerca  das sua tendências hetero ou homossexuais.
O incomodativo desta história foi que… As pessoa sendo tão mázinhas, mesquinhas e atrasadas mentais, em vez de me perguntarem a mim fosse o que fosse, foram telefonar a uma amiga minha (que vive com o namorado há 3 anos ou mais), perguntando-lhe se o  seu namorado era homossexual!!!!....
Acreditem que tive de retirar o texto do FB,  pois essas estúpidas pessoas não paravam de telefonar à minha amiga incomodando-a com perguntas sobre uma história que nada teve a ver com ela!!!!!

Pois é: há aqui muita “gentinha” que me lê, interpreta à sua maneira, não diz nada, não comenta e…vai “chatear” outros!!!!
Esta gentinha é mesmo tão “poucochinha” que nem vale o ar que respira!!_ desculpem, não é cristão dizer isto, mas é verdade!
E se esta história tivesse saído em livro???... Teriam apostado numa das minhas amigas para cuscar a sua vida sexual???
Não é mais grave sair na capa da revista VIP, exposta em todos os quiosques do país,  que o toureiro João Moura está falido e penhorado???
Isto sim! Isto incomoda!! Isto são coisas pessoais entre as finanças e o dito! Isto sim, são coisa impublicáveis!!!.. No entanto, as pessoas continuam a comprar a revista e a considerar estes jornalistas!!!
Odeio hipocrisias e afasto-me delas!! Afirmo-me católica e sou-o de todo o coração,  mas,  não deixo de criticar algumas atitudes do santo Padre: ele para além de Papa é humano. E, que eu saiba o único  Ser humano que não errou,  viveu há 2000 anos e com ou sem burro e vaca vai comemorar o seu aniversário daqui a 19 dias!
No entanto, irrita-me ver aqui pessoas que enchem o mural de santinhos e frases de  muito zen’s …..e no entanto, são casados e  dão umas “voltinhas” por fora!: Aahahahahaha!! Conheço muuuitos casos desses!! Não gosto nem aprovo, mas não julgo nem atiro pedras. Quem sou eu para atirar pedras se Cristo não o fez?...
Nunca pus em causa a intimidade dos meus amigos no FB. Por distracção e “despiste”, posso e acreditem-me se quiserem, sem querer,  escrever frases que nunca me passaram pela cabeça que essas pessoas amigas  entendessem que estava a pôr em cheque a sua intimidade. Errei,  confesso, posso ter errado mas sem dúbias intenções e sem a mínima das maldades.
Dou tudo pelos meus amigos e há AQUI  QUEM,  já ajudei (sem que eles nada me pedissem), sem sequer os conhecer! E SÓ ELES sabem disso!

Não suporto também as lições de moral que algumas familiares me tentam dar,  afirmando peremptoriamente que o FB é a fonte de todos os males e que eu me devia afastar deste mundo virtual. Pois é,  queridas amigas/primas: onde estavam  vocês quando eu precisei de falar,  quando eu telefonei e não atenderam nem devolveram a chamada??
Onde estavam quando eu precisei de um conselho, de uma palavra amiga, de uma simples opinião???
É fácil dar conselhos: “ faz caminhadas todos os dias, faz psicoterapia, apanha sol, não fumes, … blablablablabla”
Em que mundo viveis queridas primas amigas?? No “alice no País das maravilhas”???
Há psicoterapeutas em Coruche?? E mesmo que houvesse, teria dinheiro para os consultar??
Há sítios para fazer caminhadas sem encontrar “n” pessoas que metem conversa, que me perguntam pelos filhos (que são meus alunos), que simpaticamente ainda me dão os pêsames ou perguntam pela minha saúde ou outras coisas mais prosaicas?????? Não, não há.
Entro nos cafés, tomo o meu chá ou café ao balcão, cumprimento quem conheço, (muita gente), e saio. Poucas vezes tenho tempo ou paciência para conversa de circunstãncia.
E quanto aos amigos/as coruchenses???
Quantas vezes me mandam uma sms ou perguntam como estou??...
Quantas vezes me convidam para uma saída, uma festa, um cinema?
Pois é: mas houve alguns que eu convidei para o meu aniversário que comemorei em Évora,  e nem ao trabalho se deram de responder: “ não vou!”._ Não levo a mal! Compreendo! É longe e a vida não está para gastos!
Sabem, em meios pequenos, o “ser divorciada” é um estigma. Um estigma muito marcante e que se paga com o isolamento ( e ainda a fama de mau feitio por não ter pachorra para aturar o primeiro que me aparece).
No meio de casais, não sinto bem “desemparceirada” e só visito a casa dos meus amigos quando convidada.
Com isto tudo termino este longo texto dizendo: eu não sou uma triste ou uma infeliz!! Eu sou livre!! Faço aquilo que quero dentro das minhas possibilidades, só aturo quem me apetece e sou muito feliz à minha maneira!!!
A minha família são as minhas adoradas filhas!!! E chega!!!
Esta tríade comemorará o Natal sozinha como se os meus pais ainda cá estivessem e gostariam, e continuará unida (apesar de divergências pontuais como é evidente), e entrará em 2013 com o pé direito!!
A uma mulher de 51 anos não se muda a personalidade nem se dá conselhos.
Não há cá em casa atrasos mentais diagnosticados!!… E quanto ao resto, deixem lá o pobre do FB: o que lá se escreve, já toda a gente sabe e fala, ( uiii se fala!!),  só não escreve!!!!
Posto isto, continuarei sendo igual a mim mesma,  falando do que quiser e entender desde que não ponha em causa a intimidade dos outros.
Se alguém se revê nos meus textos e acha que foi dirigido a si…. LOLJ) Que posso fazer???... Juro, juro mesmo: não é problema meu!

iSABEL.